Ricky Shaine - Mamy blue

[postlink]http://veiapan.blogspot.com/2010/04/ricky-shaine-mamy-blue.html[/postlink]http://www.youtube.com/watch?v=-lgpC4NTr0Yendofvid
[starttext]
George Albert Tabett, o Ricky Shaine, nasceu no dia 04 de junho 1944, na cidade do Cairo, Egito. Cantor, ator e escritor, era filho de um magnata do petróleo libanes e uma artista plástica egípcia, passou sua infância em Beirute, Líbano. Após se mudar para Paris com a idade de 15 anos, onde estudou música e canto, depois mudou-se para a Itália, onde gravou seu primeiro singles e tem suas primeiras peças de qualidade. Em 1966 ele estrelou ao longo de Udo Jürgens no filme alemão "siebzehn Jahr, blondes Haar" (Sixteen e loira), que marcou o início da temporada de sucessos musicais. Em 1970 foi premiado com o Leão de Ouro da Rádio Luxemburgo. Finalmente apareceu em 1975 no episódio "Kalkutta" da popular série de TV alemã "Derrick".

Mamy Blue
(giraud/weigel)

I may be your forgotten son
who wandered off at twenty one
it's sad to find myself at home,
oh ma.

If I could only hold your hand
and say I'm sorry yes I am
I'm sure you really understand
oh, Ma, where are you now.

Oh, Mamy, oh, Mamy - Mamy - blue
oh, Mamy - Blue

The house we shared upon the hill
seems lifeless but it's standing still
and memories of childhood days
fill my mind, oh Mamy, Mamy, Mamy.

I've seen enough of different lights
seen tired days and lonely nights
and now without you by my side
I'm lost, how can I survive.

Oh, Mamy...

Nobody who takes care of me
who loves me, who has time for me
the walls look silent at my face
oh, Ma, so dead is our place.

The sky is dark, the wind is rough
and now I know what I have lost
the house is not a home at all
I'm leaving, the future seems so small.
I'm leaving, the future seems so small.
Mamãe, azul

Eu posso ser o seu filho esquecido
Que saiu de casa aos 21 anos de idade
É triste me encontrar em casa
Oh, mãe

Se eu ao menos pudesse segurar a sua mão
E dizer que sinto muito, muito mesmo
Tenho certeza de que você realmente entende
Oh, mãe, onde está você agora

Oh, mamãe, oh, mamãe, mamãe, azul
Oh, mamãe, azul

A casa que compartilhamos no topo da colina
Parece sem vida, mas está lá firme e forte
E memórias dos tempos de infância
Preenchem a minha mente, oh, mamãe, mamãe, mamãe

Já vi suficientes luzes diferentes
Vi dias exaustos e noites solitárias
E agora, sem você ao meu lado
Estou perdido, como posso sobreviver

Oh, mamãe...

Ninguém que cuida de mim
Que me ama, que tem tempo para mim
As paredes parecem silenciosas ao meu rosto
Oh, Mãe, bem mortos é como devemos estar

O céu é negro, o vento é duro
E agora eu sei o que perdi
Uma casa não é um lar
Estou partindo, o futuro parece tão pequeno
Estou partindo, o futuro parece tão pequeno
[endtext]

5 comentários:

maristela oliveira disse...

Que saudades esta música me trouxe.obrigada!

s_mairim disse...

maravilhoso!!!!saudades...

ednascimento disse...

amigo amei!!!!!!!!!!
me deu saudades de minha mamãe que esta longe de mim "saudades de mamãe muito linda essa canção .bjoss

marcos disse...

Essa música fez com que eu voltasse aos meus 20 anos, na época. Hoje, com 59, quando a ouço, lembro da minha doce mãe, que já se foi. Obrigado.

luciana disse...

adoro essa música,apesar de não ser do meu tempo.